sábado, 24 de abril de 2010

Silom

A rua de Silom no centro do que é considerado o Districto Financeiro de Bangkok é também sinónimo de mercados, bares e paródia.

Costuma-se dizer que em Silom se pode encontrar de tudo mas tudo mesmo.

No meio da rua existe o mercado de Patpong famoso pelas cópias. Patpong 2 é mesmo chamada a Soi Louis Vuitton tantas são as lojas a venderem as cópias dessa famosa marca de bolsas e malas francesas. Relogios é outro dos produtos mais procurados. Desde Rolex, a Cartier ou um Piaget exclusivo até aos mais sofisticados Silberstein, tudo se compra por meia dúzia de bath se for bem negociado.

Quem não sabe negociar não deve aventurar-se em Patpong. Mas não é só nessas duas ruas. Toda a Silom é um mercado de prazeres para os shopaholics e para os menos puristas.

Ontem Silom entristeceu e hoje chora sem luz, sem turistas, sem vendedores, sem alma. Patpong já desapareceu faz quatro dias. Hoje em dia é o parque de estacionamento dos veículos militares.




Faz três dias ainda havia os boys vendendo DVD sex DVD, mesmo em frente aos polícias e soldados que já populavam a zona. Hoje nem esses. Todos partiram. Vieram outros ocupantes. Sem cor, sem alegria.

A um canto, hoje já distantes dos vermelhos, estavam uns 10 Multi Cor gritando sem que alguém lhes ligasse nada. Silom está em silêncio não se quer ouvir barulho. Como disse o General Apichart, o que ontem aconteceu foi um erro de todos e não deve voltar a acontecer.

Uma das ruas mais alegres da cidade está triste, talvez a pensar nos que morreram.

4 comentários:

suzel m disse...

Que bom encontrar alguma informação sobre o que está acontecendo em Bangkok,na visão de um habitante, nestes dias de protesto dos "red skirts".
Conheço e adoro esta cidade e gostaria de ir visita-la em Junho, mas estes acontecimentos provocam insegurança e espantam os turistas. O que você sugere ? Tem realmente algum perigo para os turistas ?Não se pode andar nas ruas com tranquilidade ?

Nuno Caldeira da Silva disse...

Cara Suzel. A vida quase que é normal e posso dizer-lhe que todos os dias vou de casa para o trabalho e tudo isto se passa na zona de conflito. Contudo pode haver algum azar. Na Quinta estive na estação de metro de Saladaeng 20 minutos antes de aí cairem três granadas. Não é confortavel a Situação quer em Rajaprasong (zona do Central World, Gaysorn, Paragon) pois está tudo fechado. Não é agradavel ver Silom ocupado não por turistas mas por tropas. Hºa um certo desconforto. Ainda agora houve grandes estrondos e logo pensei em bombas mas são trovões. Neste momento desaconselho vir para Bangkok pois há esse desconforto mas se em Junho isto não está resolvido então adeus país. A maíoria dos países está adesaconselhar viajar para Bangkok neste momento mas espera-se que isso passe dentro do máximo um mês embora eu aposte que na semana que vem vamos ter uma solução.

suzel m disse...

Agradeço sua informação.Vou continuar lendo os seus artigos, muito bem escritos por sinal e com conteúdo. Afinal qual é o seu trabalho em Bangkok?
Continue informando o mundo !

Nuno Caldeira da Silva disse...

Sou diplomata trabalhando na area politica da Delegacao da Uniao Europeia