sábado, 20 de março de 2010

No Fim do Dia


Regressados ao ponto de partida os manifestantes puderam dizer que atinjiram os seus objectivos, levar a toda Bangkok a sua mensagem. A quem a ouviu ou a recebeu o dever de decidir.

Deixo aqui um dos muitos artigos já escritos sobre o dia de hoje por um dos mais experientes jornalistas em Bangkok, Nirmal Gosh, whe escreve para o Strait Times de Singapura.

Mesmo assim ainda há quem afirme que nada aconteceu hoje na "Big Mango" como muitos apelidam Bangkok.

2 comentários:

Anónimo disse...

Neste caso, a satisfação por uma "revolução" deste tipo, não deixa de ser uma originalidade, para nem dizer mais.

Nuno Caldeira da Silva disse...

Deixei publicar este comentário de um Anónimo, não gosto de pessoas sem rosta, no sentido de tentar esclarecer, não o anónimo, mas outras pessoas qeu têm rosto. O artigo acima nem mostra "satisfação" (é de um jornalista demasiado experiente para fazer isso) nem fala de "revolução". Descreve tão simplesmente aquilo que se passou ontem em Bangkok. Uma longa, colorida e animada caravana de pessoas que se manifestavam por uma causa que entendem ser correcta e que o fizeram de uma forma pacífica e ordenada. Pude assistir, por mero acaso, por duas vezes á passagem deles.Vários comparavam à festa do Songran (não confundir com Songkram) mas sem água e sem a agressividade que por vezes esta apresenta. Gente de moto, de tuk tul, de táxi, e caros mais modestos até um grand-sport, de alta cilindrada e enorme preço, de tudo havia um pouco. A satisfação mostro-a eu agora por tudo ter acontecidoem paz apesar de haver sempre uma terceira ou quarta mão que quere, perturbar. A satisfação é grande pela forma ordeira como tal aconteceu a satisfação é grande pela forma não agressiva com se manifestaram, até mesmo nas palavras de ordem que ouvi quando a caravana passou.

Assim deve ser quando existe a liberdade de falar e de dizer aquilo que pensam sem atropelar ninguém sem trazer para o país prejuízos como já conteceu no passado.

Falar em Revolução só pode vir da cabeça de quem nunca pôs os pés na Tailãndia ou de quem ficou com eles grudados ao passado.

Estejamos satisfeitos pois durante esta semana que passou, ao contrário daquilo que muitos desejavam, não aconteceu violência mas tão somente disputas políticas. As várias detonaçãoes ligeiras que aconteceram ao longo da semana, segundo os investigadores e o Dr Panittan, o porta voz do PM, serão devidas a terceiros ou quartos como agora se descrevem as mãos invisíveis e verdadeiramente inimigas deste país.