quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Thai Kaem Khaeng - Tailândia Forte



Depois de ter rebentado o escândalo no Ministério da Saúde Pública, Abhisit reconheceu, em comentários feitos à imprensa, que vai agora ser mais difícil continuar com o programa de recuperação da economia devido ás suspeitas em que este já está envolvido.

O Secretário de Estado da Saúde Pública, pertencente ao Partido Bhum Jai Thai de Nevin Chidchob (BJT - sempre ele) e que é acusado no relatório recentemente trazido a lume de ter pressionado os funcionários para favorecerem a província pela qual é Deputado, vem de uma forma confirmar a acusação mas dizendo, candidamente, que não fez mais do que o seu dever como Deputado. Ou seja o Deputado Manit lobbying o Secretário de Estado Manit para que este fizesse uma distribuição que favorecesse os seus eleitores por certo antevendo a necessidade de lembrar isso ao povo aquando das próximas eleições.

Korn Chatikanavij, o Ministro das Finanças, e companheiro de sempre de Abhisit, veio dizer da necessidade de conduzir uma investigação independente em todos os Ministérios que estão envolvidos no pacote de estímulo da economia Tailândia Forte, isto depois de várias empresas de construção terem afirmado que actualmente estariam a pagar 20% do custo de cada projecto, aos políticos envolvidos, nomeadamente nos projectos em curso no Ministério dos Transportes (também do BJT).

Referem esses empresários que se não pagarem não conseguem os contractos e que o preço actual, de 20% da totalidade de cada projecto, é superior ao do que pagavam antigamente no tempo de Thaksin.

Toda esta saga da corrupção fez-me lembrar o estudo feito pela The Asia Foundation, e a que já anteriormente me referi, que, na resposta a uma pergunta sobre a corrupção apresenta um espantoso número de 94% dos tailandeses a dizerem que faz parte do funcionamento da sociedade. Igualmente, não há muito tempo, apareceu um estudo feito por uma Universidade onde se concluía que 36% dos deputados de igual forma consideravam a corrupção uma questão normal na vida pública tailandesa. Talvez por essas e por outras é que o país desceu no índice anualmente publicado relativo à corrupção no país.

Também há cerca de três meses em conversa com o Presidente do partido da oposição ele me dizia que a coligação no poder iria cair de podre devido aos casos de corrupção que iria ver a público. Note-se que o Puea Thai conhece bem os parceiros de Abhisit pois eles estavam de braço dado com o PPP no ano passado.

Abhisit e Korn são pessoas de outra geração e de outros interesses mas parecem frágeis animais no meio de um ninho de cobras, perigosas e escorregadias.

Mais uma luta para Abhisit que por certo vai passar a noite de fim de ano a pedir que o tirem dali mas sabendo ao mesmo tempo que desistir é uma derrota para ele e para o país.